sexta-feira, 8 de dezembro de 2023

Sobre a Saudade


Quem torna
Meu coração ao que foi?
Que dor de mim me transtorna,
Que coisa inútil me dói?
(Pessoa)


                                                                  Não sei se saudades tem cor...

Dizem ser assim.
Eu sei, ela tem forma
Tem gosto, tem cheiro e peso também.
Acredite ela tem asas!
Se não, como nos transportaria
Tantas vezes a lugares
Tão distantes?

Sei ainda, ela se agiganta, 
Mais tentamos diminuí-la.
Sei, ela dói
Intensa e sem remédio.
Se não fosse ela, não sei...
Teríamos consciência,
Do tamanho da importância
Das pessoas dentro da gente?...

Sinto saudade de quem foi meu amigo e anjo guardião, mesmo não sendo mais, tendo o destino levado, ele não se arriscou a tentar tirar do meu coração, seria impossível. Um homem que foi bom para mim enquanto teve condições. Foi um tempo lindo e inesquecível, acabou, findou-se todo carinho diário, toda elegância no trato, tudo, tudo... se esvaiu como nuvem no céu. Na eternidade, poderemos dar vazão ao que interrompemos por cruel pandemia. Deus tudo viu e é meu aliado na vida solitária até chegar junto Dele. Ele é Fiel e cumpre seus Cuidados de Pai Amoroso nas dores da sua filha tão amada.





13 comentários:

  1. Linda poesia e essas saudades pela ausência são enormes .Sofre o coração pela brusca interupção... Mesmo assim, sobrevives e a vida vai girando e passando...beijos, fica sempre bem! chica

    ResponderExcluir
  2. As saudades dilaceram o coração, ficam as memórias para amenizar um pouco essa dor.
    Sentido e belo poema.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. A saudade de alguém, dói dentro do coração. Por isso lembramos tantas vezes o que passou e nos fez felizes. Gostei do poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Olá Roselia!

    Saudade são doces lembranças, mas que nessa época do ano florescem com uma intensidade sobrenatural.
    Tenha uma semana repleta de luz
    abraços Loiva

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, Rosélia! Mas... sabe qual é a vantagem da saudade, amiga? Nada se acaba; enquanto vivemos, o amor sobrevive em nós, na doçura das lembranças! Meu abraço, amiga; boa semana.

    ResponderExcluir
  6. "Não sei se saudades tem cor..."
    Querida Roselia, a cor da sua saudade é seguramente Azul 💙.
    Minha amiga, recorde os momentos de felicidade e serene a sua dor.
    Beijo carinhoso, um Dezembro abençoado.

    ResponderExcluir
  7. Querida Roselia, saudade é a memória do coração
    Que guarda os momentos que não voltam mais
    Saudade é a dor da ausência
    Que machuca a alma e deixa um vazio
    Saudade é a esperança de um reencontro
    Que alimenta o sonho e renova a fé
    Saudade é o amor que não morre
    Que transcende o tempo e a distância. Bela postagem. Eu também sinto saudades imensas! Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde Amiga Rosélia,
    Um poema muito belo de saudade do amado que partiu, mas que ficou para sempre no seu coração.
    Que descanse em paz nos braços do Pai do Céu!
    Beijinhos carinhosos de paz e bem.
    Muitas bênçãos de Deus para você.
    Ailime

    ResponderExcluir
  9. A saudade fere como uma lâmina e dói dentro do coração!
    Mostramos sempre essa dor na tristeza do olhar ou do sorriso.
    Dentro de nós ficam as cicatrizes e as boas recordações!...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Olá, amiga Roselia, essa palavra saudade, da língua portuguesa,
    diz um mundo de coisas sentidas por quem está longe das pessoas que gostam dos lugares, dos animais. Saudade vive muito em todos nós, desde muito cedo. Conviver com ela é preciso.
    Um ótima semana, amiga.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  11. Tem todas as coes, Rosélia
    Em cada uma a lembrança dos que foram, do que vivemos.
    Linda sua postagem, ela aplaca a dor quando deixamos que
    venha em foram de poema.
    Deixando abraços, amiga

    ResponderExcluir
  12. Belíssima a poesia saudades muitas vezes nos faz sofrer e também não, bjs.

    ResponderExcluir

Amor de Nefelibata

Nefelibata: que ou quem vive nas nuvens; diz-se também do escritor que não obedece às regras literárias; alguém demasiado idealista, que fog...